São Paulo,
     00000000000000

O que são Transtornos de Personalidade?

Um traço de personalidade é um aspecto do comportamento da pessoa que é regular e freqüente, como por exemplo, uma tendência a maior dramaticidade ou discrição diante de acontecimentos da vida, ou a desconfiança ou confiança em relação as outras pessoas. O comportamento final de uma pessoa é o resultado de todos os seus traços de personalidade atuando em maior ou menor intensidade ou amplitude, diferenciando-a dos outros em função disso. Quando esse conjunto de traços de personalidade se tornam desviantes da norma, isto é, passam a ser mal adaptados, inflexíveis e prejudiciais, passa a ser identificado como um transtorno de personalidade. Normalmente a pessoa sente essas perturbações como fazendo parte dela, não sendo difícil ouvi-la dizer que “é assim que ela é”. Dessa forma, a procura por terapia geralmente se dá pela insistência das pessoas que fazem parte do seu circulo de convivência, por serem eles os que mais sofrem as conseqüências. Fica claro que as características citadas, embora necessárias, são vagas e insuficientes para identificar um transtorno de personalidade. A sub-divisão dos transtornos em tipos patológicos de personalidade podem deixar as coisas mais claras, pois permite identificar na prática as várias maneiras com que o problema se manifesta.
O diagnóstico de transtorno de personalidade para ser dado exige a personalidade já formada, ou quase, no final da adolescência e por convenção não é dado a crianças.
O Transtorno de Personalidade Paranóica é uma dessas manifestações patológicas e pode ser dividido em dois tipos – o tipo ativo, ou querelante, e o tipo isolado, ou sensitivo.
O tipo ativo é briguento, vive discutindo, pois o seu radar está sempre ligado, com medo de estar sendo traído, passado para trás ou explorado. Interpreta de forma negativa atitudes neutras ou amistosas das pessoas, mesmo sem motivos razoáveis para pensar assim, como por exemplo quando recebe um elogio e responde de maneira hostil ou desdenhosa, por acreditar que haja algum interesse por trás. Aliás, seu estado emocional em geral é hostil, irritado e ansioso. Algumas deles estão cheios de processos, movidos contra pessoas que acreditam tê-lo prejudicado, devido a um senso de direitos pessoais desproporcionais a realidade. Não suporta criticas, ofende-se facilmente; vive preocupado com fofocas, complôs e intrigas, mesmo que não haja sinais disso no ambiente.
Sua agressividade é mais verbal, tipo resposta a ataques que ele supostamente sofre. Em razão desse comportamento beligerante, acaba criando inimigos onde inicialmente não existiam, justificando então suas suspeitas. São vingativos, rancorosos, não perdoam qualquer ato que considerem uma traição, o que lhes provoca um orgulho pela convicção de ser moralmente superior aos outros.
Algumas atitudes fazem parte desse tipo de transtorno, embora não sejam propriamente comportamentos, como por exemplo um forte sentido de honestidade e justiça. Proclamam aos quatro ventos que tudo o que conseguem é por mérito próprio, e não por desonestidade ou bajulação; e que se fizeram sozinhos, sem ajuda de ninguém, se auto valorizando excessivamente. Fazem de tudo para que a justiça seja feita, aos moldes dos velhos tempos, quando a honra ferida era logo desafiada para um duelo. Tendem a ser ciumentos, criando historias de traição sem base de evidências.
Essas características tem muito a ver com a Esquizofrenia Paranóide, que é um problema mais grave. Como distingui-las?
Na esquizofrenia, os ciúmes são fruto de um delírio, toda a construção vem da cabeça do individuo, enquanto no transtorno de personalidade os fatos existem, porém a interpretação deles é que é tendenciosa e paranóica.
O segundo tipo de transtorno paranóico é o isolado ou sensitivo.
O sensitivo não tem a presença toda do querelante, ele muito sensível, e a qualquer sinal de crítica ele se recolhe, deprime e fica magoado. Teme a vergonha e humilhação, por isso se isola e se protege. Tem excessiva sensibilidade em ser desprezado e normalmente não é vingativo.
Não se nasce com essas características, elas são adquiridas, daí o diagnóstico só poder ser feito quando a personalidade já está formada ou quase. Na vida dessa pessoa pode ter existido muita humilhação e abuso, o que acabou provocando intensos sentimentos de inferioridade e insegurança. Os anseios por justiça e vingança viriam da tentativa de correção da humilhação sofrida, além do orgulho, que é um fator essencial entre as causas.
Existem outras explicações complementares, como por exemplo o paranóico ser fruto de um casal onde só existe violência e brigas, e as relações percebidas como as de um carrasco e vitima, deixando o bebe sem base emocional segura.

Texto baseado em aula Prof. Wilson Campos Vieira e no site

http://www.psicosite.com.br/tra/out/personalidade.htm